Azeite de oliva extra virgem

Publicado por Dani Oliveiraquinta-feira, 16 outubro 2008

Hoje vou falar de um produto que sempre fez parte da minha vida e agora como cozinheira, não posso negar que ele faz sim toda a diferença. Senhoras e senhores – o azeite de oliva extra virgem! 

Tá bom, azeite é caro… tudo bem concordo. A média de preço que pago nos meus azeites é R$15,00, mas vale a pena investir num produto de qualidade. O azeite é um produto alimentar, usado como tempero, produzido a partir da azeitona, fruto das oliveiras. Trata-se de um alimento antigo, clássico da culinária contemporânea, regular na dieta mediterrânea e nos dias atuais presente em grande parte das cozinhas. Além dos benefícios para a saúde o azeite adiciona à comida dá um sabor e aroma peculiares. A região mediterrânea, atualmente, é responsável por 95% da produção mundial de azeite, favorecida pelas suas condições climáticas, propícias ao cultivo das oliveiras, com bastante sol e clima seco.


Desde que casei comecei a fazer os meus azeites aromatizados e hoje vou mostrar pra vocês as preciosidades que tenho lá em casa. Quanto mais velho, mas gostoso ele fica. Os primeiros, aí da foto, um é com folhas de alecrim e cabeça de alho e o outro com casca de limão desidratada. Para usar as folhas em natura é preciso lavá-las e deixá-las secar bem. O vidro que você vai colocar o azeite, também precisa estar bem seco. Uma dica legal se você não tiver vidros: compre aquelas garrafinhas de Sweeps (essas aí da foto), depois é só comprar os biquinhos nas lojas de utilidades domésticas.


Estes três aí são com pimenta-rosa, diretamente do Mercado Municipal de são Paulo, presente do meu amigo Marcel e os outros dois são uma cópia de uma linha especial de azeites aromatizados da Borges com o chef Ferran Adriá, um com alho frito e outro com gengibre e shoyo. Veja todos os azeites da linha aqui. Falando em Borges, tá aí outra dica pra não errar na compra de um bom e clássico azeite de oliva extra virgem. O azeite extra virgem da Borges, com acidez 0,5% é uma ótima opção. É o meu favorito. Média de preço aqui em Uberlândia R$14,00 à R$16,00.


Este outro é com manjericão fresco… bastante manjericão por sinal. O vidro, belíssimo, foi presente do meu amigo Maurício. Um mimo de vidro. Adorei Mau!!! Bom, se você quiser saber mais curiosidades sobre o azeite, entre neste link e divirta-se!

“Os habitantes dos países mediterrâneos possuem uma dieta bastante saudável, consumindo altas doses de azeite de oliva, frutas, legumes e peixes. Dentre esses alimentos o azeite de oliva é considerado o principal fator para a preservação da saúde dessa população. Dados de estudos científicos revelam que a dieta mediterrânea protege a população de doenças coronarianas, de câncer, principalmente, do intestino e de mama e do envelhecimento”.
Fonte: Site Boa Saúde

Nesta receita você encontra:

Outros artigos e receitas como esta em:

Receitas e artigos relacionados:

8 pessoas comentaram

  1. Ricardo Carvalho sábado 29 novembro 2008 às 05:28

    Como habitante de um país mediterrânico, Portugal, posso confirmar que utilizamos bastante o azeite. Acredito que o efeito protector do azeite resulta, por um lado, de ser uma gordura saudável e, por outro, de proporcionar uma dieta mais hiperlipídica. Um aumento dos lípidos implica maior saciedade e menos consumo de carbohidratos. Logo, uma dieta menos hiperglicémica, com menores níveis de insulina. Ao ingerir mais lípidos regularmente, estamos enviado ao nosso corpo a mensagem de que está assegurado um afluxo regular, pelo que ele não terá tanta tendência para os acumular em forma de tecido adiposo. Sim, isso mesmo, coma mais gorduras (saudáveis, monoinsaturadas e saturadas) para perder peso. Demasiado paradoxal, eu sei, mesmo para as autoridades de saúde, que nos querem fazer crer que devemos diminuir a ingestão de gorduras….

  2. Luiza #1° domingo 12 julho 2009 às 18:12

    Concordo plenamente, pois estou emagrecendo por meio de dieta a base de azeite e oliva.

  3. Maria Hedwiges da Si #2° segunda-feira 20 julho 2009 às 05:52

    Eu também sou portuguesa, mas moro no Brasil há muitos anos. Não sei se por causa da minha origem, ou por leituras, mas o meu consumo de azeite de oliva (extra virgem) tem vindo a aumentar nos últimos anos, progressivamente. A minha saúde é ótima, e os níveis de colesterol mau, medidos regularmente, são sempre inferiores aos do colesterol bom.

    Gostaria de saber se posso usar também o azeite de oliva comum (o que não é extra virgem), para refogados, guardando o outro, que é mais caro, para comer cru.

    Muito agradecida a quem puder me informar a respeito.

  4. Mari #3° segunda-feira 20 julho 2009 às 08:25

    Oi Dani

    Vc entende mesmo de azeite, por isso peço sua ajuda para fazer o meu.

    Os ingredientes são:3 dentes de alho picados, uma colher de chá de orégano, de manjericão e de alecrim, misturados ao azeite extra virgem. esta receita obtive no jornal hoje numa reportagem sobre a menopausa, porém não informaram a quantidade de azeite. Vc pode me ajudar?

    Um abraço. Mari

  5. Dione de Araujo Rios #4° quinta-feira 30 julho 2009 às 17:49

    Fiquei sabendo que o Azeite de Oliva Extra Virgem faz vc engordar. É verdade?? ou mito??

    Agradece Dione

  6. Andreia #5° quinta-feira 23 fevereiro 2012 às 07:14

    Eu sempre tento fazer azeite temperado e sempre estraga…

    Qual a dica?

    PS: adorei "a sua coleção"!

  7. julio #6° quinta-feira 04 outubro 2012 às 18:37

    Ola vou preparar uma paella e gosto de fritar (dourar todos ingredientes) individulmente no azeite olivia, mas tenho duvida em quela azeite extra virgem utilizar, poderia me ajudar como vou fritar tem que ser com qual acidez?? eu utiliza com acidez 0,7 esta correto??

E você, o que achou? Comente!

  • * Você pode inserir estas tags no comentário: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>